Introdução à Microbiologia

 

Definições, relação entre microrganismos e o homem, doenças, simbiose, uso na indústria e outros tópicos no estudo microbiológico

 

Definição de Microbiologia:

Microbiologia vem da junção do elemento de composição grego mikrós– , que significa pequeno e é utilizado em inúmeros vocábulos eruditos, principalmente a partir do séculos XIX, e -biologia (grego bíos, vida + grego lógos, estudo, tratado), pode ser definido como o estudo dos microrganismos. E microrganismos são as formas de vida que, originalmente, só poderiam ser vistas com o auxílio do microscópio óptico (posteriormente, com o microscópio eletrônico). Elas incluem Bactérias, Fungos, Vírus, Protozoários, Algas unicelulares, Viróides e Prions.

Dividida em subáreas, como Virologia, Bacteriologia e Micologia.

Métodos de estudo baseados no cultivo, coloração e microscopia, sendo apenas 1% dos microrganismos cultiváveis. Atualmente usamos técnicas moleculares.

Microrganismos Celulares: Bactérias, Fungos, Algas Unicelulares e Protozoários

Microrganismos Acelulares: Vírus, Viróides e Prions.

Embora sejam sempre lembrados como causadores de doenças e tidos como “inimigos”, apenas uma parcela muito restrita do total está relacionada com as doenças humanas,  animais e vegetais. A tabela abaixo lista alguns dos BENEFÍCIOS que os microrganismos trazem para o homem e para todo o planeta:

Bactérias: produtores de antibióticos e antifúngicos; fixadoras de nitrogênio; controle biológico; produtores de alimentos: iogurte;produtores de ácidos e vitaminas; sintetizadores de hormônios por engenharia genética.

Algas: fotossintetizantes.

Vírus: controle biológico; engenharia genética (vetores de terapia genética)

Microrganismos marinhos: Base da cadeia alimentar

Fungos: produtores de alimentos: queijos, cerveja, pão, vinho, rum, uísque; produtores de antibióticos e antifúngicos; maiores decompositores do planeta.

 

Relações dos microrganismos com o homem

Maléficas:  agente de doenças infecciosas.

  • Bactérias: tuberculose, acne, hanseníase, tétano, periodontite, cáries.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Vírus:  sarampo, caxumba, rubéola, AIDS, gripe, raiva.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Fungos:: candidíase, tíneas, onicomicoses, pé-de-atleta, histoplasmose.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Benéficas: relação simbiótica com organismos animais e humanos, auxiliando na digestão, produção de vitaminas e aminoácidos e proteção contra colonização de patógenos. por exemplo.  E também utilização na indústria:

  • Alimentícia: produção de cerveja, vinhos, vinagre álcoois, queijo, coalhada, probióticos e prebióticos;
  • Farmacêutica: insulina e antibióticos;
  • Biorremediação: degradação de poluentes agrícola, doméstico, industrial, além de pesticidas, herbicidas e solventes;
  • Biotecnologia: síntese de polímeros para produção de tecidos, nanotecnologia e produção de biocombustíveis (etanol, metanol).  São apenas alguns exemplos.

 

Relações dos microrganismos com a biosfera

Ciclagem de nutrientes: ciclos biogeoquímicos de nutrientes

  • Ciclo do nitrogênio: processo pelo qual o nitrogênio ou azoto circula através das plantas e do solo pela ação de organismos vivos é conhecido como ciclo do nitrogênio ou ciclo do azoto.

    Ciclo do nitrogênio

  • Ciclo do carbono: numa escala geológica, existe um ciclo entre a crosta terrestre (litosfera), os oceanos (hidrosfera) e a atmosfera. O Dióxido de Carbono (CO2) da atmosfera, combinado com a água, forma o ácido carbônico, o qual reage lentamente com o cálcio e com o magnésio da crosta terrestre, formando carbonatos. Através dos processos de erosão (chuva), estes carbonatos são arrastados para os oceanos, onde se acumulam no seu leito em camadas, ou são assimilados por organismos marinhos que eventualmente, depois de morrerem, também se depositam no fundo do mar. Estes sedimentos vão-se acumulando ao longo de milhares de anos, formando rochas sedimentares como as rochas calcárias.
     

Ciclo do carbono

  • Ciclo do fósforo: o mineralizar-se, é absorvido pelas raízes das plantas e se incorpora a cadeia trófica dos consumidores, sendo devolvido ao solo, nos excrementos ou através da morte. Uma parte do fosforo é transportada por correntes de água. Ali, se incorpora na cadeia trófica marinha ou se acumula e se perde nos solos marinhos, aonde não pode ser aproveitada pelos seres vivos, até que o afloramento de algas profundas possam reincorporá-lo na cadeia trófica. A partir do “guano” ou excremento de aves pelicaniformes, o fósforo pode ser reutilizado como “guano” reiniciando um novo ciclo.

Ciclo do fósforo

Como não é o enfoque, cito apenas esses 3 ciclos, mas estes terão postagens específicas.

 

Classificação e nomenclatura dos microrganismos

Procariotos: não apresentam membrana nuclear, como bactérias e arqueias.

Célula procariótica

Eucariotos: organismos cujas células apresentam membrana nuclear, como fungos e protozoários.

Célula eucariótica

 

Arbusto da vida: transferência horizontal de genes.

Tangled roots (Doolittle, 2000)

Por enquanto era isso, nos vemos na próxima!

Anúncios
Categorias: Agronomia, microbiologia | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Sopa de Macarrão com Batata e Cenoura


Tipo de Prato:
Sopas

Tempo de Preparo: 15 min

Rendimento: 8 porções

 

Ingredientes

  • Macarrão a gosto
  • 1/2 cebola picada
  • 1 colher de azeite
  • 3 dentes de alho ou use o alho comprado pronto
  • 10 ramos de cebolinha verde picada
  • 2 cenouras picadas a gosto
  • 2 batatas picadas a gosto
  • 1 tablete de tempero sabor bacon
  • 1 litro de água

 

Modo de preparo

  1. Frite o azeite com o alho e a cebola em uma panela de pressão
  2. Adicione a água e deixe ferver
  3. Depois adicione o macarrão, cenoura, a batata, a cebolinha verde e o tablete de tempero sabor bacon
  4. Mexa e deixe ferver até perceber que a batata e a cenoura estão cozidos, se desejar tampe a panela, deixe cozinhar por 10 minutos
  5. Você também pode adicionar carne moída pronta, a gosto
  6. Sirva. Bom apetite!
Categorias: Receitas, Sopas | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Piada: Freira anã?

Os sete anões chegam ao Vaticano, vão falar com o Papa e Dunga pergunta, se no Vaticano tinha alguma freira anã. O Papa calmamente responde:

– Não, não existe freira anã no Vaticano.

Os outros seis anões começam a rir baixinho. Dunga, meio sem jeito, volta a perguntar:

– Mas, Santo Papa, existe freira anã na Itália, não existe?

– Não, Dunga, não existe freira anã na Itália.

Os outros seis começam a rir, mais alto.

– Mas, Santo Papa, na Europa tem freira anã,não tem?

– Não, Dunga, não tem freira anã na Europa.

Os outros seis já estão às gargalhadas. Dunga continua:

– Mas, Santo Papa , deve existir freira anã na África ou na América, não é?

O Papa já perdendo a paciência responde:

– Não, Dunga, não existe freira anã na África, nem na América, nem na Ásia, nem na Oceania. Não existe freira anã em lugar nenhum!

Os outros anões, quase explodindo de tanto gargalhar, começam a pular e a gritar:

– O Dunga comeu um pinguim! O Dunga comeu um pinguim! O Dunga comeu um pinguim…

Categorias: Diversas, Piadas | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Vídeo: Charada em 7 segundos (05/06/2018)

Exercite sua mente

 

Cérebro treinado sempre obtém melhor rendimento nos estudos. Abaixo um vídeo com algumas charadas para exercício mental:

 

Boa terça e até a próxima!

Categorias: Especiais | Deixe um comentário

Lipídeos I: Conceitos e Nomeclatura

Nesse primeiro post vão alguns conceitos básicos

 

1. Conceito:

Lipídeos são biomoléculas insolúveis em água, e solúveis em solventes orgânicos. Desempenham várias funções no organismo, entre elas:

  • Reserva de energia
  • Combustível celular
  • Componente estrutural das membranas biológicas
  • Isolamento e proteção de órgãos

 

A maioria dos lipídios é derivada ou possui na sua estrutura Ácidos Graxos.

 

2.  Ácidos Graxos:

São ácidos orgânicos, a maioria de cadeia longa, com mais de 12 carbonos. Esta cadeia pode ser saturada ou insaturada.

  • Ácidos graxos saturados:  não possuem duplas ligações, geralmente sólidos em temperatura ambiente. Gorduras de origem animal são geralmente ricas em ácidos graxos saturados
  • Ácidos graxos insaturados: Possuem uma ou mais duplas ligações è são mono ou poliinsaturados, são geralmente líquidos à temperatura ambiente. A dupla ligação, quando ocorre em um AG natural, é sempre do tipo “cis”. Os óleos de origem vegetal são ricos em AG insaturados. Quando existem mais de uma dupla ligação, estas são sempre separadas por pelo menos 3 carbonos, nunca são adjacentes nem conjugadas.

 

(a) Ácido graxo saturado
(b) Ácido graxo insaturado

 

     3. Nomenclatura de Ácidos Graxos:

  • Nome sistemático:  vem do hidrocarboneto correspondente. Existe um nome descritivo para a maioria dos AG. Os AG tem seus carbonos numerados de 2 formas: a partir da carboxila é a Numeração Delta – “Δ” ; a partir do grupamento metil terminal é Numeração Ômega – “Ω “. Os carbonos 2, 3 e 4 (segue a sequencia) são contados a partir da carboxila.
  • Numeração Delta – “Δ”: Os carbonos 2, 3, 4… (segue a sequencia) são contados a partir da carboxila. Ex: ácido linoleico- 18:9,12
  • Numeração Ômega – “Ω “: Carbonos contados a partir do grupamento metil terminal. As duplas ligações, quando presentes, podem ser descritas em número e posição em ambos os sistemas. por exemplo: O ácido linoleico possui 18 átomos de carbono e 2 duplas ligações, entre os carbonos 9 e 10, e entre os carbonos 12 e 13. Então o ácido linoleico é pertencente à família Ômega -6 (Ω6).

Por hoje era isso Até a próxima!

Categorias: Agronomia, Bioquímica | Tags: , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Waffle Clássico

 

Tipo de Prato: Lanches

Tempo de Preparo: 40 min

Rendimento: 8 porções

 

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 2 colher (sopa) de açúcar
  • 2 colheres (chá) de fermento em pó
  • 1/2 colher (chá) de sal
  • 2 colheres amido de milho
  • 3 ovos batidos
  • 4 colheres (sopa) de manteiga sem sal derretida
  • 1 e 3/4 de xícara (chá) de leite
  • 1 colher (sopa) de essência de baunilha

 

Modo de preparo

  1. Peneire em um recipiente a farinha de trigo, o açúcar, o amido, o fermento e o sal
  2. Reserve
  3. Em outro recipiente misture os ovos batidos com o leite, a manteiga derretida e a essência de baunilha
  4. Despeje sobre a mistura de farinha e rapidamente incorpore os ingredientes
  5. Aqueça o aparelho para Waffles
  6. Coloque uma concha rasa de massa e espalhe até cobrir o molde do aparelho, feche a tampa e deixe assar até a massa ficar bem dourada
  7. Retire com espátulas de silicone
  8. Sirva com mel, frutas ou geleia
Categorias: Lanches, Receitas, Salgados, Sobremesas | Tags: , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Piada: Não aperte os botões!

O cara tava viajando nestes aviões modernosos, cheios de sacanagem, quando deu uma baita vontade de ir no banheiro. Foi no banheiro marcado masculino mas todos estavam ocupados.

Recorreu à aeromoça, que lhe disse para ir no banheiro feminino que estava desocupado, mas frisou bem:

– Não aperte em hipótese alguma os botões JAQ, SAQ, AT e RAA. O cara escutou, mas não prestou atenção.

Foi no banheiro, sentou no vaso, e ficou olhando pros botões. Logicamente, como era curioso, apertou o botão JAQ. Automaticamente um Jato de água Quente lavou a sua bunda. O caro ficou embasbacado com aquilo – As mulheres é que sabem das coisas – pensou consigo mesmo.

A curiosidade continuou e apertou o botão SAQ. Na seqüência um Secador de Ar Quente secou a sua bunda, não deixando uma gotinha só de água. O cara achou que estava no paraíso com aquele luxo todo. Já mais relaxado apertou o botão AT e um Aplicador de Talco passou talco generosamente em sua bunda.

Totalmente desinibido, foi direto no botão RAA. Depois que acordou no hospital perguntou o que havia acontecido com ele. A última coisa que se lembrava é de ter apertado o botão RAA, no que a enfermeira respondeu:

– O senhor foi avisado pra não apertar os botões. RAA significa Removedor Automático de Absorvente…

 

Categorias: Diversas, Piadas | Tags: , , , | Deixe um comentário

Encurtador de link? Aqui vão algumas dicas

Buscando um substituto ao goo.gl da Google? Mostro cinco ótimas alternativas

 

No fim de março a Google anunciou  o encerramento de seu encurtador de links, podendo ser usado até 30 de março de 2019 aos antigos usuários.

Mas na net sempre encontramos outros caminhos, como plataformas ou ferramentas em blog ou site. Aqui mesmo no WordPress isso é possível. 

Abaixo cito 5 serviços para encurtar URL para usar depois que o goo.gl ser desativado.

 

1. Bitly

O Bitly é reconhecido como um dos mais populares encurtadores de URL, além de ser bastante poderoso. Ele também é muito fácil de lidar, basta colar o link na caixa de texto da página inicial e clicar em “Shorten” (encurtar, em tradução livre) e está pronto!

Bitly

Este serviço também permite personalizar as URLs, rastrear as taxas de cliques e mais, você só precisa se cadastrar de modo gratuito. Infelizmente, como todo serviço de qualidade, ele tem um limite: só é possível criar 500 links de marca e 10.000 links sem marca por mês. Mas caso você preferir não ter limitações, a empresa fornece serviço pago que oferece relatórios mais detalhados.

 

2. Ow.ly

Este é um exemplo de encurtador gratuito de qualidade, mas que exige que o usuário tenha uma conta no Hootsuite para poder usá-lo. Com ele é possível encurtar links, medir o tráfego e mais, porém, não oferece os mesmos recursos dos serviços pagos.

Ow.ly

O Ow.ly é voltado àqueles que preferem ver vários relatórios para os links criados, porque se você só quer encurtar os links e não quer saber do resto, é melhor usar uma alternativa que não exija fazer uma conta.

 

3. TinyURL

Se você só quer um encurtador de URL gratuito e simples, o TinyURL vai servir. Não há planos pagos disponíveis e é só visitar o site, colar o link na caixa de texto e o resto é feito sozinho. Os links são marcados, começando com tinyurl.com/, mas o restante do link é personalizável.

TinyURL

Apesar de não ter as ferramentas restantes, ele oferece uma maneira rápida de encurtar os URLs dos sites visitados, o que permite que evitar o processo chato de copiar e colar. Também é possível adicionar o TinyURL na barra de ferramentas do navegador e criar um link para o site que você está visitando, ação que ficaria muito mais fácil como uma extensão do Chrome.

 

4. Ouo.io

Usando esta ferramenta você pode não só encurtar URLs, como pode ganhar dinheiro por meio da publicidade. Isso porque, quando alguém clicar no link abreviado, um anúncio será exibido antes de redirecionar para um website.

Ouo.io

Segundo a empresa, se o usuário for americano, pode ganhar até US $ 4,1 para cada mil visualizações. No Brasil, o site diz que o ganho é de US $ 1,65. A inscrição é gratuita.

 

5. Is.gd

Esta é a alternativa mais rápida e fácil, já que ele permite encurtar URLs na página inicial sem precisar de inscrição por parte do usuário. O site também permite personalizar o link, mas ele deve começar com “is.gd/”, por exemplo: is.gd/carlosd.

Is.gd

Mesmo sendo tão básico que não necessita cadastramento, ainda é possível ver um relatório das pessoas que que clicaram no link. Para ter essa atividade basta adicionar um traço no final do link e clicar em “I want to see statistics for this URL” (Desejo ver estatísticas para esta URL).

 

O que achou das dicas? Espero ter ajudado, pois link curto facilita divulgação de seu site. Uma ótima sexta para você!

Categorias: Dicas Práticas, Especiais, tecnologia | Tags: , | Deixe um comentário

Arroz com Calabresa na Panela de Pressão

 

Tipo de Prato: Prato Principal

Tempo de Preparo: 30 minutos

Rendimento: 4 porções

 

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de arroz cru
  • 1 cebola picada
  • 2 dentes de alho picado
  • 4 batatas cortadas em rodelas grossas
  • 2 gomos de linguiça calabresa defumada, cortadas em rodelas
  • 4 xícaras (chá) de água fria
  • 2 cubos de caldo de galinha
  • 1 tomate sem pele e sem semente picado
  • Sal a gosto (se for necessário)
  • 2 colheres de sopa de óleo
  • Temperos (salsinha, cebolinha, e orégano) a gosto.
  • Queijo ralado a gosto

 

Modo de preparo

  1. Coloque na panela de pressão o óleo, a cebola, e o alho, e refogue até que a cebola fique transparente.
  2. Retire do fogo e coloque por cima desse refogado os ingredientes na seguinte ordem, formando camadas: batata, linguiça, arroz, tomate, temperos, caldo de galinha esfarelado, sal, e por último a água fria.
  3. Tampe a panela e leve ao fogo.
  4. Quando a panela começar a chiar, abaixe o fogo para médio, e conte 10 minutos.
  5. Apague o fogo e deixe a pressão sair sozinha. Não force a saída da pressão, pois, esse tempo com a pressão na panela desligada é necessário para o preparo da receita.
  6. Abra a panela e coloque o arroz em um refratário.
  7. Polvilhe com o queijo ralado e sirva à seguir, acompanhado de uma salada verde.

 

Categorias: Frios, Prato Principal, Receitas | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Organize melhor suas anotações

 

Confira 5 técnicas para registrar o conteúdo de aulas e palestras no caderno

 Cada pessoa pode ter seu próprio sistema ao acompanhar uma aula: algumas preferem ouvir e anotar só depois, mas muitas assimilam melhor as informações se estiverem escrevendo na hora. Alguns formatos de anotação podem ajudar se este for o seu caso.

Vale usar tabelas, esquemas de gráficos ou dividir a folha do caderno em três seções, como no método Cornell, criado por Walter Pauk, diretor do centro de estudos da Universidade Cornell, em 1997. Aprenda as técnicas e decida com qual consegue se adaptar melhor:

 

Método Cornell

Separe dois espaços da folha do caderno com uma linha vertical, formando uma margem menor, na esquerda, onde depois serão anotados os tópicos da aula ou palestra. Na direita, faça as anotações principais: sempre que o professor mudar de assunto, pule algumas linhas e, depois da aula, complete o espaço com mais frases e outros “fragmentos” de informação. Na margem menor, separe palavras-chave para classificar os temas que foram abordados.

Deixe um terceiro espaço na parte inferior da folha e use-o para fazer um resumo e registrar qual é a relação entre os temas anotados naquela página. O sistema é adequado especialmente para organizar conceitos e ideias gerais e funciona bem para consultas e revisões.

FOTO: COLLEGE SUCCESS/ UNIVERSITY OF MINNESOTA LIBRARIES PUBLISHING (REPRODUÇÃO)

 

Linhas gerais

A técnica usa traços e margens para organizar as anotações. A ideia mais geral começa logo à esquerda da página e grupos de informações mais específicas são posicionados por nível de importância à direita, em forma de lista.

Gráficos e tabelas

Consiste em dividir toda a aula em colunas e tabelas, cada uma com uma divisão relacionada ao tema. O esquema é adequado para conteúdos de biologia, história ou geografia, por exemplo, onde a ordem cronológica dos fatos é parte importante dos estudos.

 

Frases

Para aulas rápidas ou com muito conteúdo: escreva uma frase para cada informação, tópico ou pensamento, em linhas separadas. O método é trabalhoso e não serve para identificar as informações mais importantes, mas pode ser bom para registrar boa parte da aula.

 

Mapeamento

O formato desenvolve a compreensão do conteúdo e funciona como uma representação gráfica da aula. É útil especialmente em palestras que exigem participação e ajuda a assimilar bem o assunto. Para se organizar com ele, não tem muito segredo: basta traçar setas e dividir as anotações em esboços de diagrama.

FOTO: COLLEGE SUCCESS/ UNIVERSITY OF MINNESOTA LIBRARIES PUBLISHING (REPRODUÇÃO)

Categorias: Educação | Tags: , , , | Deixe um comentário

Risoto na panela de pressão

 

Tipo de Prato: Prato Principal

Tempo de Preparo: 1 hora

Rendimento: 6 porções

 

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de arroz arbóreo
  • Aproximadamente 4 xícaras (chá) de água
  • 400g de linguiça Calabresa
  • 1/2 xícara (chá) de vinho branco
  • 1 cebola picada
  • 1 talo de alho-poró picado
  • 1 talo de salsão picado
  • 1 cenoura ralada
  • Azeite, sal e pimenta do reino a gosto
  • 1/2 xícara (chá) de queijo parmesão ralado
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • folhas de manjericão

 

Modo de preparo

  1.  Na panela de pressão despeje o azeite e refogue a cebola. Adicione a calabresa picada, o salsão, o alho por, a cenoura e refogue alguns minutos.
  2.  Acrescente o arroz arbóreo. Misture bem. Despeje o vinho branco e deixe secar.
  3. Tempere com sal e pimenta do reino. Despeje a água. Tampe a panela e conte 3 minutos após pegar a pressão.
  4. Passado esse tempo, retire a pressão da panela e abra. Acrescente o parmesão, a manteiga, as folhas de manjericão e um fio de azeite. Misture bem.
  5. Siva a seguir.
Categorias: Prato Principal, Receitas | Tags: , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Frango com maionese

 

 

Tipo de Prato: Prato Principal

Tempo de Preparo: 45 minutos

Rendimento: 6 porções

 

Ingredientes

  • 1 kg de filé de frango ou sobrecoxa sem osso
  • 2 colheres (sopa) de suco de limão
  • 2 dentes de alho amassados
  • 1 pacote de sopa ou creme de cebola
  • 1 vidro pequeno de maionese
  • queijo parmesão ralado a gosto

 

Modo de preparo

  1. Temperar os filés de frango ou sobrecoxa com o suco de limão e o alho
  2. Passar cada pedaço na sopa ou creme de cebola
  3. Colocar em um refratário untado com óleo
  4. Espalhar a maionese e polvilhar o queijo parmesão ralado
  5. Levar ao forno por 30 minutos ou até dourar
Categorias: Aves, Prato Principal, Receitas | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Já pensaram como seria ter em casa painéis solares fornecendo energia elétrica? Estamos próximos dessa realidade

Pesquisadores da Universidade de Newcastle criam painéis solares com tinta condutora de eletricidade de fabricação rápida e barata

Quando as primeiras placas fotovoltaicas foram fabricadas, elas eram equipamentos caros e pesados. Com o avanço da tecnologia, já é possível fabricar painéis solares com a espessura de uma folha de papel.

Criado por um grupo de pesquisadores da Universidade de Newcastle, na Austrália, a tecnologia está em uma tinta solar especial capaz de conduzir eletricidade. Ela é impressa diretamente sobre um tipo de plástico muito forte e flexível, que pode ser enrolado em tubos sem o risco de estragar, facilitando o transporte.

 

Energia barata e prática

Mas uma vantagem que tem chamado a atenção para esses painéis solares é que são bem mais baratos de serem fabricados do que as placas fotovoltaicas comuns: o metro quadrado custa apenas 10 dólares. Bastam dez impressoras para produzir a quantidade necessária de folhas de painel solar para gerar energia a mil casas.

Professor da Universidade de Newcastle, Paul Dastoor (Fonte: Yahoo)

 

Custo baixo e de fácil implementação

Além de barato, o material pode ser fabricado de maneira rápida, permitindo sua implementação acelerada no mercado. “Nenhuma outra solução de energia renovável pode ser fabricada de maneira tão rápida. Na nossa impressora de escala do laboratório, conseguimos produzir facilmente centenas de metros do materiais por dia e, em uma impressora de escala comercial, essa quantidade aumentaria para quilômetros”, revela o professor Paul Dastoor, da Universidade de Newcastle.

O material é feito a partir da impressão de uma tinta eletrônica avançada sobre folhas laminadas, finas e transparentes. Os equipamentos utilizados são prensas de impressão convencionais. Os componentes são à base de carbono não-tóxico, sendo usados diretamente nas tintas processados em tintas à base de água.

(Foto: Universidade de Newcastle)

A tecnologia está na fase final de testes. Mas os pesquisadores garantem que, até o momento, os resultados foram bastante satisfatórios. Eles esperam que a invenção consiga fornecer energia para comunidades sem acesso a qualquer tipo de eletricidade.

Categorias: Agronomia, Ciências, Educação, Física | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Retorno às aulas na Universidade Federal de Pelotas será dia 06 de fevereiro de 2017

Educação

Atividades acadêmicas serão retomadas em fevereiro, com o descongelamento do Calendário

 

O Conselho Coordenador do Ensino, da Pesquisa e da Extensão da UFPel (Cocepe) definiu, na manhã desta terça-feira (20), a redefinição do Calendário Acadêmico da Universidade, suspenso devido à greve dos servidores e estudantes.

O retorno às atividades ficou definido para o dia 6 de fevereiro, momento a partir do qual serão recuperadas as seis semanas que faltaram para o término. Entre 25 de março e 23 de abril, ocorrerá um recesso acadêmico, necessário para trâmites administrativos entre os semestres letivos. No dia 24 de abril, começa o primeiro período letivo de 2017. O restante do calendário será definido pela próxima reitoria.

O Cocepe orienta ainda que todas as atividades sejam recuperadas e que não sejam realizadas avaliações nas primeiras semanas de aula.

A informação deve-se à Coordenação de Comunicação Social da UFPel. Agora cabe a nós, alunos, curtir as 8 semanas de recesso, afinal teremos um ano lotado, exaustivo e pouco produtivo, como em greves anteriores. Triste é a palavra que me vem à cabeça.

Categorias: Agronomia, Educação | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Arroz de forno com carne moída à parmegiana

Receitas

 

arroz-de-forno-com-carne-moida-a-parmegiana

 

Tipo de Prato: Prato Principal

Tempo de Preparo: 1 hora

Rendimento: 6 porções

 

Ingredientes

  • 2 colheres (sopa) de azeite
  • 1 colher (sopa) de alho picado
  • 10 tomates picados grosseiramente
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto
  • 1 cebola picada
  • 2 colheres (sopa) de óleo
  • 1kg de carne moída
  • 1 cenoura ralada
  • 1 xícara (chá) de ervilha congelada
  • 6 xícaras (chá) de arroz branco cozido
  • 4 xícaras (chá) de queijo mussarela ralado
  • 1/2 xícara (chá) de queijo parmesão ralado

 

Modo de preparo

  1. Em uma panela em fogo médio, aqueça o azeite e refogue rapidamente o alho.
  2. Adicione o tomate e refogue por 5 minutos. Espere esfriar e bata no liquidificador.
  3. Volte os tomates batidos para a panela em fogo baixo. Tempere com sal e cozinhe por 10 minutos.
  4. Em outra panela, frite a cebola no óleo e coloque a carne moída e refogue por 10 minutos ou até dourar.
  5. Misture a cenoura e a ervilha. Tempere com sal e pimenta e reserve.
  6. Divida o arroz em 3 partes e reserve.
  7. Em um refratário grande, coloque uma camada de arroz cubra com metade da carne, regue com 1/3 do molho de tomate e polvilhe com 1 xícara (chá) da mussarela. Repita a operação e cubra com o arroz restante.
  8. Espalhe o molho restante e polvilhe com a mussarela restante e com o parmesão.
  9. Leve ao forno alto, preaquecido, por 10 minutos ou até gratinar. Sirva em seguida.
Categorias: Prato Principal, Receitas | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: